O nascimento do polo moveleiro de Belo Horizonte; Uma história de coragem e prosperidade.

O nascimento do polo moveleiro de Belo Horizonte;
Uma história de coragem e prosperidade.
 
Em meio a trezentos e cinquenta mil habitantes, no idos de 1950, lá, naquele tempo, quando a jovem Belo Horizonte ainda prometia ser uma das maiores cidades do Brasil, nascia o polo moveleiro da Silviano Brandão. Época de oportunidades, época de esperança, época de dificuldades.

 
Foi no início da década de 1950 que surgiu a primeira loja de móveis da Avenida, com o nome de Fabrica de Móveis Ianni, fundada pelo pioneiro Sr. Walter Ianni, um comerciante, que de engraxate, passou por luthier e tornou-se um grande empresário.
 
A família de Walter Ianni chegou da Itália no início do século e instalou-se onde hoje se encontra a Rua Macedo com Silviano Brandão, naquela época conhecida como Córrego da Mata. De origem humilde, Ianni, filho mais velho dos seus sete irmãos, seguiu os passos de seu pai Humberto Ianni na profissão de marceneiro, tendo crescido dentro da fábrica de móveis.
 
Foi nessa época, ainda quando criança, que nos intervalos do barulho das serras e do ruído das lixadeiras, descobriu o som do violino. Um vizinho que tocava o instrumento também tocou a sensível alma do aprendiz de marceneiro. Decidiu investir todos seus esforços de engraxate no sentido de ajuntar dinheiro suficiente para adquirir o instrumento e tornar-se um um músico. Como não poderia ser diferente para aquela intrépida alma, conseguiu todo o dinheiro de que precisava para a grande aquisição de sua vida. Todavia, interveio seu pai ao saber, impedindo-lhe de realizar seu sonho, sob a justificativa de que não se tratava de prioridade a aquisição de um violino para uma família pobre, que passava por dificuldades.
 
É diante das dificuldades que surge a oportunidade de se superar. Já que não podia comprar seu instrumento, iria ele mesmo fabricar o seu! Ajuntou os retalhos de madeira e como quem nasce para enfrentar barreiras e transformar as coisas do mundo surgiu seu primeiro violino. Mesmo que não tivesse um som cristalino e afinação precisa, ali estava realizado seu grande sonho. O primeiro passo de muitos havia sido dado.
 
Com o passar do tempo, Ianni, a fim de aprimorar seu estudos da fabricação perfeita do instrumento matriculou-se no SENAI, tendo ali se formado marceneiro. Nesse momento seu trabalho tomava corpo e seus instrumentos estavam cada vez mais requintados e com uma sonoridade vibrante e pura. 
 
Nesse ínterim conheceu sua futura esposa, Giselda. Ela, proveniente do Rio de Janeiro e encantada com a beleza do seu trabalho, levou-o à sua cidade natal, onde as oportunidades multiplicavam-se. Nessa ocasião, o luthier de Minas, teve oportunidade de expor sua obra e receber elogios de diversos críticos e musicistas. Chegando mesmo a ter seus instrumentos comparados ao do renomado luthier italiano Antonius Stradivarius de Cremona.
 
Uma comissão foi designada para apurar e conferir seu trabalho. E, após acurada pesquisa, foi-lhe concedido por essa conquista de tenacidade na busca de um ideal uma medalha de honra ao mérito.
 
Entretanto, como a vida não é feita de fantasias e ilusões, e por mais maravilhosa que fosse a atividade de luthier e por mais requintado que fosse o seu trabalho artístico, não se demostrou suficiente para dar o conforto que imaginara para sua família que crescia.
 
Naquela época, Walter resolveu tomar frente na fábrica em que seu pai trabalhava. 
 
Concentrou todos seus esforços na produção industrial, e revendia para comerciantes em diversas lojas espalhadas pela cidade. Mas o tempo foi passando e estava cada vez mais insatisfeito com as condições impostas pelos revendedores comerciantes com os quais negociava. Decidiu, novamente, mudar o rumo da história e para tanto, mandou que fizesse uma faixa, afixou-a na porta de sua fabriqueta, nela continha os seguintes dizeres: “Quem fabrica, vende mais barato”. Por que não podia ele mesmo vender o que fabricava?
 
Surgiu, aí, a primeira loja de móveis da Avenida Silviano Brandão.
 
Novamente, como quem não nasceu para ver as coisas da plateia, Walter, sob admiração de seus empregados e amigos, prosperou com sua empresa, a Fábrica de Móveis Ianni que se transformou numa das mais importantes lojas do setor mobiliário nas década de sessenta, setenta e oitenta, e atraiu diversos outros vendedores de móveis para a Avenida. Semente do polo moveleiro que hoje se vislumbra e consolida-se.
 
Assim, mesmo após sua prematura morte aos 51 anos de idade em 1981, com a semente de ímpeto lançada por Ianni, e por sua corajosa ousadia naquela jovem Belo Horizonte, surge hoje, de forma definitiva, ao lado da luta dos idealizadores desse movimento encabeçado pela empresária Eliana Reis, o mais importante polo moveleiro do Brasil, gerador de histórias e riquezas, impostos e investimentos, empregos e segurança, mas, principalmente, gerador de muita prosperidade.
 
Belo Horizonte, 01 de agosto de 2012
 
 
Walter Ianni Netto
Anúncios

1 Comentário (+add yours?)

  1. Eliana Reis
    Dez 08, 2012 @ 00:09:44

    LINDA HISTÓRIA!
    SUA, DE SUA FAMÍLIA E NOSSA HISTÓRIA!
    QUE BOM QUE TUDO COMEÇOU COM VOCÊS!

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: